REGRAS PARA PUBLICIDADE POR INFLUENCIADORES DIGITAIS

Alguns anos atrás, talvez não imaginássemos que os ditos “influencers” seriam, de fato, levados a sério. Talvez você já tenha feito um pré-julgamento de um amigo ou conhecido que se aventurou nesse looping de emoções e exposições que são as redes sociais.

Com o passar do tempo e o amadurecimento da economia on-line, pudemos acompanhar o surgimento de uma nova profissão: a dos influenciadores digitais. Sim, eles vieram para ficar e preencher um vazio gigante no meio digital. 

Para se ter uma ideia, segundo uma pesquisa realizada pela @hootsuite, os brasileiros ficam em média 3h31min por dia nas redes sociais, o que significa uma audiência gigantesca a ser explorada por marcas junto aos “canais” de divulgação representados pelos influenciadores digitais.

Pensando nisso, o Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária (CONAR), formulou um Guia de Publicidade para Influenciadores Digitais, em que traz orientações para a aplicação das regras do Código Brasileiro de Autorregulamentação Publicitária ao conteúdo comercial em redes sociais. 

A ideia deste Guia é fomentar uma publicidade responsável nas redes sociais, visto que, a cada dia que passa o consumo é cada vez mais influenciado por aquilo que vemos na tela do celular, especialmente.

Neste guia, o CONAR esclareceu que a publicidade por influenciador é aquela destinada a estimular o consumo de bens e serviços a partir de contratação por Anunciante e/ou Agência. 

Foram citados, objetivamente, a presença de três elementos cumulativos para se caracterizar a publicidade: i) a divulgação de produto, serviço, causa ou outro sinal a eles associado; ii) a compensação ou relação comercial, ainda que não financeira, com Anunciante e/ou Agência; e iii) a ingerência por parte do Anunciante e/ou Agência sobre o conteúdo da mensagem (controle editorial na postagem do Influenciador).

Outra ponto interessante referido no Guia, diz respeito àquelas postagens que fazem referência à retribuição, agradecimento por brindes (“recebidos”), viagens, hospedagens, experiências, convites, etc, onde o influenciador não necessariamente tenha sido remunerado pela postagem; mas sim tenha usufruído de algo oferecido pela empresa promovida.

Se você é um influenciador digital não deixe de ler a íntegra deste Guia (link na bio) para estar adequado às regras de publicidade. 

http://www.conar.org.br/pdf/guia-influenciadores.pdf

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja mais insights do slap.LAW