Outro Brazilian Storm vindo por aí

Antes foi o Surf; agora são as Startups e seus fundadores.

Sabemos que o aparecimento de estrelas motiva o povo a olhar para lá e inspira uma geração de aspirantes. 

Isso é verdade em qualquer campo. Quando surge uma leva de atletas em determinado esporte, fazendo barulho, aparecendo e se destacando, temos uma geração de jovens impactados e tentando replicar o sucesso. 

Foi assim com o Surf. O Brasil sempre o teve como um de seus esportes preferidos, afinal temos um dos maiores litorais do mundo, um país com dimensões continentais e muita área inundada por águas salgadas. 

Mas durante muitos anos, vimos o surf como esporte de lazer e poucos surfistas brasileiros realmente se destacavam profissionalmente, falando de campeonatos de franquias conhecidas, e virando, de fato, estrelas reconhecidas no país. 

Isso mudou recentemente. Uma onda de surfistas de sucesso chegou ao topo, mas foi com @gabrielmedina que as coisas realmente tomaram outra dimensão. 

Desde a consagração do Medina, outros brasileiros chegaram lá, e uma geração de estrelas assumiu o protagonismo mundial – no que se chamou de “Brazilian Storm”. 

O mesmo, segundo @erigonatti, fundador da Astella Investimentos, está acontecendo com o mercado de Startups.

Por conta de uma leva bem sucedida de fundadores, com saídas de muito sucesso e evolução profissional e econômica, além de times de alta performance alcançando patamares de excelência, veremos uma onda cada vez maior de Startups de sucesso. 

O amadurecimento do mercado, além de gerar riqueza, conforme empreendedores conseguem realizar suas saídas, faz com que os fundos e investidores em geral vejam o mercado como uma alternativa cada vez mais viável e rentável, gerando um buzz necessário e muito favorável ao ecossistema. 

E, para além do retorno financeiro, o melhor de tudo é que essa onda causa uma inspiração geral, especialmente nos jovens que vão formar as próximas turmas de empreendedores de sucesso, além da massa profissional que faz as Startups acontecerem. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja mais insights do slap.LAW